PlayList: o melhor do Brasil il il

psiu, a imagem em destaque foi extraída daqui, isso, clica aqui!

Tava aqui pensando e concluí: as últimas playlists postadas por aqui tiveram pouquíssimos sons do nosso Brasil, portanto, chegou a hora de compartilhar com vocês alguns sons que ando escutando demais e amo amo amo! Espero que goste. ❤

Sim, nosso país também tem muito artista bom demais, né, não? Se você escutar algo diferente do que eu já postei aqui, por favor, compartilhe: música boa é música compartilhada, não é? Um beijo e tchaaaaaaau

Solta e aumenta o som!!

Criolo e seu maravilho disco: Ainda há tempo

Emicida – Mãe

Emicida – Rua Augusta

Rael da rima – Envolvidão

Flora Matos – Pretin

Flora Matos – Como faz

ANAVITÓRIA – Cor de Marte

Pélico – Não éramos tão assim

Karina Buhr – Amor brando

Karina Buhr – Pic Nic

Tulipa Ruiz – Efêmera (Álbum completo)

Depois de amar, respire.

Nota do amor: A imagem em destaque foi extraída do pinterest
https://br.pinterest.com/pin/64668944621970353/  

Sempre achou que o mundo fosse acabar depois de cada relacionamento que acabou. Deitava na cama, colocava música triste no fone de ouvido e chorava e cantava com toda a força aquela letra que fazia o maior sentido naquele momento, realmente curtia a bad (palavra em inglês que significa mau, mas também usada no português brasileiro para referir-se a alguém que está mau de várias maneiras… inclusive sentimentalmente) como muitas pessoas diziam. A gente costuma ter essa mania, né?

— Mas, vem aqui… Deixa eu te contar um segredo: não é errado ou feio não, viu? Curta mesmo esse momento em que está triste, da maneira que você achar melhor, assim como tem que curtir os momentos alegres! Ou seja, curta todos os momentos de forma intensa em sua vida! 🙂

— Nossa… Mas até agora não li novidade nenhuma!

— Calma… Continua acompanhando o texto… Que… Chegaremos lá. Olha só, já foi uma… Dica ou pista? Dica! Vamos chamar assim, tá? Combinado?! c u r t i r  o momento, primeira dica.

Continuando…

Até hoje foram quatro relacionamentos sérios e monogâmicos… Cada um terminou de um jeito que que… Meu Deus, sei lá: não fosse mais ser amiga, nunca mais quisesse ver o rosto da pessoa ou ainda que nunca mais fosse falar com a pessoa. Pronto, segunda dica: nunca  n u n c a  diga  n u n c a  pois você nunca sabe o dia de amanhã, não é mesmo?

— Tá, legal… Só que tá ficando chatinho já… O que eu faço com essas duas dicas?

— Aqui está o ponto “lá”! Só repassando essas duas dicas e te digo a terceira, combinado?! 🙂

Curtir o momento – Anotado!
Nunca diga nunca – Anotado!

Entre essas duas faltou uma coisa que pode parecer boba, mas é essencial depois que você amou: após o relacionamento chegar ao fim você tem que lembrar de respirar fundo, respirar até mais do que respirava enquanto esteve nele. A gente acha que tá respirando o tempo todo, e eu espero que você esteja também, rs… Mas deixando a biologia um pouco de lado… Eu tô aqui falando é da respiração que mexe com o nosso coração e ao mesmo tempo com as memórias que armazenamos nele, ok? Tô falando daquele famoso tempo para você.

Lembra que o seu ponto forte é você e isso nada e ninguém pode mudar… Pensar e concluir que você é mais forte que o fim daquele amor. Olha quantos relacionamentos acabaram por seus motivos particulares, mas, depois de cada um que terminou você está aí ainda, em pé e firme para dar uma nova chance, um novo começo para um novo capítulo de sua vida. Respira fundo, tira um tempo e pensa no que o seu eu quer daqui pra diante. Durante a vida toda: curta, nunca diga nunca mas não esqueça que é importante depois de amar, respirar. Depois de amar, respire.

PlayList: Xô, deprê!

Oie, oies! Sim, estou aqui depois de um tempão sem escrever nada, né? Pois é, eu sei… Me desculpa? Eu prometi uns vídeos aí de vestibular em setembro e falhei, mas, eu tenho uma justificativa que, queira você ou não… Ela infelizmente existe em minha vida e tenho que lidar com ela, inclusive lutar contra ela pois ela não é legal e eu sei que você, isso você mesmo aí do outro lado da tela… Provavelmente já passou por isso, se não passou eu espero que não chegue perto.

Eu sofro de depressão (foi diagnosticada em meados de Maio/Abril) e desde então é uma onda de positividade e dias totalmente negativos na cama, MAS, agora que me encontro saindo dessa fase negativa na cama, só saindo dela pra trabalhar… Exatamente às 02h15 (hora que escrevo para vocês, bateu a insônia e o desbloqueio criativo rolou) eu quero e acho justo compartilhar uma série de músicas que fazem com que o meu humor levante bastante só em decorrência dessas batidas e dos ritmos que cada uma delas traz pra mim!

Espero de coração que seu dia tenha começado bem! Afinal, quando você estiver lendo esse textinho eu FINALMENTE estarei indo para a terapia (que felicidade eu fico quando chegam as Segundas e Quintas!!).

Bom, segue abaixo uma seleção de 10 músicas que fiz a partir do Spotify e seu maravilhoso aleatório ❤

Um beijo da Bibs e boa curtida musical! Tchaaaaaaau!

pS. SOLTA O SOM!

[pS 2. Créditos da imagem em destaque: 
https://br.pinterest.com/pin/362399101249631018/%5D

Pitbull, Ne-Yo – Time of our lives

Matheus e Kauan – Segunda opção

Alex & Sierra – Scarecrow

American Authors – Best Day Of My Life

Artic Monkeys – Fluorescent Adolescent

OutKast – Heeeeeeeey yaaaaaaa (8)

The Jackson 5 – ABC

The Jackson 5 – I wnat you back

Clarice Falcão – Irônico

Manu Gavassi – Vício

Recomeço.

Luíza não conseguiu mesmo optar por fazer o curso no Acre ou em outro estado deste nosso Brasil… Mas, ela aceitou pois doía menos, risos e escolheu: PUC, CASPER LIBERO, USP, UNESP, UNICAMP e, claro, o ENEM pra tentar não só a UNESP mas qualquer outra universidade fora de São Paulo (a esperança é a última que morre, caro leitor? Dizem isso)

No fim deu PUC-SP mesmo, olha só, pertinho de Santos.. Sua mãe ficaria muito contente! Que felicidade, sim! O maior susto bom que Luíza já viu sua mãe tomar foi quando ela anunciou que tinha passado na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), que orgulho Cátia sentiu. Como foi este dia?

Luíza estava deitada em sua cama, já era madrugada adentro, aproximadamente 2h30 da manhã… Ela tinha insônia… Para o pânico de Cátia!!! Isso deixava Luíza sonolenta para o cursinho logo cedo!!! Luíza já tinha perdido um pouco daquela esperança, aquela mesma que falei anteriormente… E foi checar as últimas listas da CASPER e PUC, pois as outras? Ish, Luíza nem para a segunda fase foi convocada, coitada… Estava na pior… Com o pânico de ter que ir para o segundo ano de cursinho… MAS Luíza achou seu nome na lista!

Achou seu nome na lista, que alívio. Era Janeiro, férias, seu pai estava na cidade e ela não raciocinou e nem quis saber se ele estava dormindo, ligou e gritou com ele no telefone! Ele gritou de volta, ele gritava: VOCE PASSOU NA PONTIFICA UNIVERSIDADE CATOLICA DE SAO PAULO!! Depois ela ligou para sua irmã, que sonolenta disse: legal, bia, tchau.. tô dormindo, beijo. Obviamente, delicadamente ela sacudiu sua mãe e disse baixinho: mãe, acorda… eu passei na puc, eu passei.. Mas, a mãe de Luíza também estava extremamente sonolenta e disse: legal filha, amanhã a gente se fala… Na manhã seguinte…

— Luíza, você disse que passou onde? – A mãe disse enquanto já se arrumava para sair para o trabalho.

— Na PUC-SP, mãe… – Agora Luíza sonolenta — (…) e tem que fazer matrícula hoje, último dia.

— ULTIMO DIA? COMO ASSIM? TEM QUE LIGAR PRO SEU PAI, NAO VOU CONSEGUIR IR COM VOCE, MEU DEUS QUE FELICIDADE, MINHA FILHA!!! – A mãe começa a carregar tudo que vê pela frente, inclusive carteira das vacinas da menina!

— Luíza, acorda agora, anda, filha! Olha, veja se seu pai pode ir com você porque eu tenho de trabalhar agora e não posso faltar hoje, tenho que ir para uma escola na Praia Grande! Tá tudo aqui, tá? Vai lá e me dá notícia!

Luíza foi, foi feliz demais. Luíza vestia calça jeans, moletom e obvio, chinelo em seus pés, caiçara como é.. Não vai deixar de calçar o chinelo e quase todos ali calçavam sapato fechado… Mas, como pisciana que é e acredita, ela não ligou muito, estava mesmo era maravilhada com aquela universidade, com aquelas paredes e portões, até os portões encantavam Luíza! Quando ela viu a placa então, caiu no chão… Uma placa de vidro com o símbolo da universidade… Lá estava: PUC-SP, abaixo: Campi Perdizes. “PERDIZES? Pensou Luíza! Cadê aquele nomão?!”

— Próximo! – chamaram as duas pessoas na mesa

— Oi, eu vim me matricular na Letras… Aqui, né? Tá.

— Só preencher este contrato aqui, moça…

Era o primeiro contrato que Luíza ia preencher com 18 anos completos, o primeiro de muitos que estavam por vir… Ah, Luíza menina!! Olhou para seu pai, Mário M. S. e deu prosseguimento ao preenchimento, nunca sentiu tanta felicidade como naquele dia. Mais felicidade ainda foi quando chegou em Santos e pôde dizer para a sua mãe:

— Obrigada por falar a palavra cursinho naquele dia, dizem que uma imagem valem mais que mil palavras na fotografia, aqui… Eu quero agora criar uma outra frase antes de tirar uma foto com você: uma palavra pode mudar tudo na sua vida, assim como a vírgula. Cursinho me fez enxergar o curso que escolhi, a faculdade que eu quis e que fui tão decidida fazer a matrícula… Assim como você me fez enxergar o mundo no dia que eu nasci e ele só faz sentido pra mim porque você está aqui hoje. Obrigada, mãe.

A mãe de Luíza caiu no choro de felicidade e nem conseguiu dizer mais nada, só tirar a foto! Eita menina Luíza, eu disse para você no começo, não disse? Tudo dá certo no fim, se não deu certo é porque não chegou ao fim, MAS, atenção… Você chegou em mais um fim para começar outra parte de sua vida, aqueles anos tão esperados por você! Viva eles, delicie-se, durma até mais tarde nos dias que tiver vontade. Um conselho? Viva, mais ou menos, como aquela letra da música de Chico Buarque: Eu faço samba e amor até mais tarde… E tenho muito sono de manhã… Escuto a correria da cidade, que arde e apressa o dia de amanhã. 

FIM.

Nota de observação do amor:

O conto chegou ao fim, caro leitor. Todos os últimos três textos que estão em destaque de forma separada é uma coisa só. Sim, um conto só, mas, dividimos para não perder a graça de te deixar curioso do que ia acontecer com Luíza. O conto é dedicado para a mãe da autora do blog, em homenagem ao aniversário dela.

Obrigada por ler se você chegou até o fim, não esqueça de deixar seu comentário, crítica, dúvida ou sugestão!! 🙂