A falta dela.

Quando eu cheguei ela era imensa, sempre apressada e um pouco mau humorada. Logo que pisei senti o calor, mas no mesmo dia veio o frescor da primavera, misturado com o outono e, ao fim do mesmo dia inverno era o que tinha. Todo mundo falava mal dela e eu, com o tempo, tentei entender o porquê… Ok, confesso que eu mesma também falava mal, mas sabe? Com o tempo isso foi passando e a paixão veio, veio num rompante que é inexplicável, assim como os últimos anos que passamos juntas. Ela me fazia café de manhã, apesar de eu insistir que não podia por causa da gastrite… Também empurrava logo cedo um pão na chapa com um pingado e mesmo quando eu não podia almoçar vinha um pão prensado na chapa com queijo branco e suco de laranja.

Todo o rancor foi passando e com o tempo aprendi a ser um pouco como ela: rápida, ágil, sem perder tempo e muitas vezes sem risadinha, só querendo saber o que o outro logo queria, perder tempo não era mais comigo… O jogo estava correndo e eu tinha que vencer, tinha que sempre dar o meu melhor por estar ali, principalmente por estar ali. Quando o rancor passou, eu vi que as pessoas que pareciam mau humoradas na verdade eram bem humoradas e tinham um coração enorme, um coração tão gigante que alguns dos meus maiores sonhos se tornaram realidade: ajudar moradores de rua na madrugada/adotar um animal de estimação/dar aula em cursinho popular… Por aí vai!

O rancor virou amor, e o amor agora, por um curto tempo, é saudade. Saudade das manhãs ensolaradas e madrugadas chuvosas e frias; saudade das pessoas correndo e ficando para trás (nem sempre) da faixinha amarela no metrô; saudade de levar um cutucão quando eu não deixava a esquerda livre no metrô; saudade de ter o caminho de casa pausado por manifestação e saudade principalmente… Dela, ela inteirinha, de uma ponta até a outra.

Anuncios do amor:

AAAAH, olha que legal que eu achei no Spotify:
https://open.spotify.com/user/spotifybrazilian/playlist/2dIcbWNODQKmaHnhqeQdTd

SIIM, uma playlist sobre São Paulo, com músicas dedicadas para a cidade da garoa.

Todas as fotos, inclusive a que está de destaque, foram extraídas de um álbum pessoal, elas estão aqui neste link:
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.2601698038713.2143525.1142675101&type=1&l=c420125c75

A fatalidade dos piscianos

O erro talvez tenha sido meu. Dizem que foi por me preocupar demais, esse talvez tenha sido o erro em todos os meus relacionamentos amorosos até agora. Conversei outro dia com um amigo, ali no banco da praia, foram poucos minutos mas ele disse algo que me fez chegar na conclusão de que eu precisava realmente escrever isso:

– Muito fácil sempre apontar o erro dos outros, mas nunca olhamos para os nossos, a gente também erra, sabe?

Pois é, meu amigo e meus leitores, também erramos… É como diz aquela letra da Banda Zimbra: “eu gosto de mentir também, só não admito”.

Em todas as vezes que eu namorei até agora eu tentei ocupar, em algum momento em vários momentos, o papel de mãe, e não, não era para ser assim, era para ser um pouco menos complicado do que isso, era para ser bem simples na verdade. Talvez seja até uma fatalidade dos piscianos, se preocupar demais com os outros, sempre querer que o outro esteja bem e, no fim, quem se preocupa comigo?

Eu mesma esqueci de me preocupar comigo nos últimos tempos, a verdade é essa e, neste momento é isso que eu estou tentando fazer, todos os dias um pouco… Eu sei que é um exercício difícil e no começo pode parecer egocêntrico, mas é um exercício essencial… Só assim dá para fortalecer o nosso castelo interno e depois, em algum outro momento, exteriorizar o que construímos em nossos corações.

A imagem destacada foi extraída de

http://weheartit.com/entry/248845929/search?context_type=search&context_user=Animalia_L&page=3&query=pisces

Playlist Mudanças

Você provavelmente passou por alguma mudança radical em sua vida! Não, caro leitor, eu não falo daquela mudança sentimental… Eu falo mesmo é da mudança física… De cidade! :O

Recentemente, após longos quatro anos em São Paulo (SP), eu voltei para a casa dos meus pais em Santos (SP – Litoral Paulista) e, apesar da distância não ser assustadoramente enorme ou algo do gênero… Eu realmente estranhei e sofri um pouco, confesso. Para e pensa comigo: você está há quatro anos fazendo mercado sozinha e de repente, TADA, tem alguém que o faça por você… Afinal, não custa nada para a sua mãe… Ela só está querendo te dar um mimo… Ou ainda: você tem que avisar que vai sair, caso contrário, ela entra em pânico procurando você por todos os cantos da cidade!!

Enfim, a readaptação com a rotina da casa do seu pai ou da sua mãe, ou quem quer que fosse responsável por você antes… Ela não é das mais simples, MAS, para toda mudança que se preze é necessário animar o role! Então euzinha montei um playlist no Spotify para dar aquele up na mudança toda. Confirma abaixo uma lista com as melhores músicas e artistas! (Só um gostinho pra você acessar depois ela completa)

AAAAH! A playlist é colaborativa, isso mesmo, CO LA BO RA TI VA! ❤

VEEEEEM!

TODOS OS DOIS discos da BANDA ZIMBRA! Diretamente de Santos para o Youtube/Mundo ❤

 Boxes (New Album) – Goo Goo Dolls

Frejat – Amor pra recomeçar

Oasis – Don’t Look Back In Anger

Oasis – Wonderwall

OutKast – Hey Ya

Gostou? Então corre pra ela que tem mais e você pode colaborar também, em?

Um super beijo da Bibs ❤

How I Met Your Mother

19/06/2014 (25 revisões)
Em 21 anos eu nunca tinha visto uma série de televisão inteira, digo, da primeira até a última temporada. Não, nunca vi friends (mentira, hoje já vi TODAS as temporadas, avancei na vida).

 Comecei a assistir How I Met Your Mother em 2012 (!!). Em 2013 eu comecei a namorar um cara incrível e nos primeiros meses de namoro nosso programa preferido era ficar debaixo do cobertor assistindo este seriado. Ok, eu já tinha assistido boa parte dos episódios das primeiras temporadas… MAS, eu queria que ele visse um pouco comigo e, eu lembro de um comentário dele após nós assistirmos o episódio (OLHA O SPOILER, VERDADE) em que o Barney pede a Robin em casamento, ele disso algo do tipo:

– Ei, aqui tem algum lugar onde eu possa pendurar um anel ou algo do tipo?

O anel não chegou e o namoro acabou, pois é.. A vida tem dessas, caros leitores… MAS, o que eu queria dizer mesmo é que você tem que assistir a série, independente do anel chegar para você ou não, ok? ❤

Então vem aqui que vou te contar um pouco dela:

Uma sitcom (situation comedy) americana, pela CBS, que estreou dia 19 de setembro de 2005 e, encerrou dia 31 de março de 2014 com 208 episódios de 22 minutos cada. Foi criada por Carter Bays (membro de The Solids) e Craig Thomas (In Memoriam).

O roteiro me chamou atenção por ser bem beeeeeeeeem parecido com o de Friends e, na época e até hoje na real, há quem critique demais esse ponto de similaridade entre os seriados etc, MAS, deixando isso um pouco de lado e prestando atenção no roteiro, o Ted só toma na cabeça (coitado), ele só quer ser feliz com alguém e o que te deixa curioso é saber se, ao fim de cada episódio, vamos FINALMENTE conhecer a mãe das crianças… OU no mínimo se estamos perto de conhece-la; além do mais… tem toda a história da Robin com seu coração um tanto quanto fechado… MAS, ela tem os motivos dela, sabe? Nem sempre estamos emocionalmente disponíveis, não é mesmo, amigos?

O seriado foi indicado para 24 prêmios de Emmy, ganhando 7; participam do elenco uma galera talentosíssima:

Jason Segel como Marshall Eriksen

Cristin Milioti como A Mãe/A Garota do Guarda-Chuva Amarelo

Bob Saget como Ted Mosby no Futuro (Voz)
Até aqui já deu pra você ficar no mínimo curioso? Se sim, corre lá no Netflix que tem mais (aliás, tem tudo, todas as temporadas, aproveita)!!

Mudanças

Já tive lesões graves quando jogava tênis e por isso tive que deixar de jogar um dos meus esportes preferidos, aliás, o único esporte que eu realmente me interessei na adolescência. Com o tempo aprendi que você tem que ter paciência, muita paciência… Caso contrário, nada irá se resolver; e algumas coisas… Você tem que apenas aceitar que não tem como arrumar, elas serão daquele jeito e pronto.

Quando eu recebi a notícia de que teria de voltar para Santos depois de formada… Com várias coisas correndo em São Paulo… Parecia que eu estava recebendo a pior notícia do mundo… Quando na verdade, é só mais um obstáculo que, se eu não me esforçar, se eu não lutar eu não irei vencer esse obstáculo, eu irei estacionar; e se tem uma coisa que eu aprendi em São Paulo, no tênis e com a lesão do tênis foi que, estacionar não é a solução.

Parece até que odeio o lugar que nasci… Falando desse jeito, né? Mas não, eu não odeio, só que alguns sentimentos mudaram, eu mudei, eu me transformei e hoje São Paulo é com certeza onde eu quero estar, onde estão correndo meus projetos e sonhos… Lá aprendi que se você não correr atrás do seu… Ninguém fará por você; lá não tem tempo, o negócio é acelerado, é correria pura!

São Paulo virou a bolinha do tênis, ela pode voltar para minha mão… Mas pode só cair e ficar. Tudo depende de mim, mais do que nunca! 😉

Ps. Ficou longo, mas eu precisava bastante escrever, estou mais aliviada.

Ps. 2: Fotografia Edson Rodrigues (Foto de arquivo pessoal tirada em São Paulo)