Da janela do quarto

Foto: Arquivo Pessoal. Guaianases – 2014

Da janela do quarto eu via,
Tudo que um dia não queria,
Sentia um aperto no peito por não poder,
Ajudar, gritar eu pensei, porém, querer não é poder (maldita sociedade).

O barulho eu escutei,
Foram sete, tiros que atravessaram mais que a janela,
Atravessaram a vida mais do que pensei
Morreram, tantos gritos dos filhos que eram dela.

O ódio. O preto. A arma e a crueldade, uma passagem para a criminalidade, de quem?