Homem de Ferro 3

“Nós criamos nossos próprios monstros”, é a frase marcante do tão aguardado: Homem de Ferro 3 (Originalmente Iron Man), uma produção da Marvel e distribuição da Walt Disney. O filme estreou este  final de semana nos cinemas brasileiros. Apresentada toda a fotografia – em parte opinião pessoal – maravilhosa, fantástica, de cair lágrimas, os efeitos especiais em partes de explosões e ângulos bem planejados em cenas aéreas e somando com a parte tecnológica, esta analisada por pessoas do ramo, o filme traz á tona a “crise existencial” de Tony Stark (Robert Downey Jr): Será ele o Homem de Ferro ou simplesmente Tony? Seu objetivo é desenvolver mais a tecnologia para controlar a armadura com o pensamento e derrotar Mandarin, líder do grupo dos 10 anéis e sequestrador de Tony no primeiro filme da série. Uma das armaduras (40 foram oficialmente criadas para o terceiro filme, segundo a própria Marvel, porém 20 são principais e um número aproximadamente de 15-30 aparece durante o filme), recepciona a Sra Stark ou Pepper Potts (Gwyneth Paltrow), ela fica decepcionada ao ver que é um ferro de homem e não o homem só por si, seu marido no caso.
Todos os dias, criamos tanto super heróis quanto monstros e muitas vezes monstros dentro de super heróis. Vestimos várias máscaras ao decorrer de nossas vidas, até que finalmente, não há mais nenhuma que encaixe no formato de nosso rosto ou que possa cair, pois todas já foram quebradas. Máquinas e pensamento são colocados em questionamento durante todo o filme. A máquina quer descansar mas o homem não quer desistir de procurar aquele que está causando uma grande destruição e tenta tirar a coisa mais importante do homem: O coração e o amor que nele corre solto.
Criamos heróis tão perfeitos quanto monstros destruidores, ao final sobram os heróis que querem se destruir. Se algo chega a ser tão perfeito, muitas vezes, depois de tantas máscaras você não sabe mais qual é a que servirá, se é que alguma servirá. Tony só quis proteger a coisa mais importante da vida dele, para isso destruiu algo que já era perfeito até demais.
Homem de Ferro não é simplesmente uma luta do bem contra o mal. É uma mistura de lembranças de Nova York, com algo muito importante na vida dele (Tony) e a decisão de como e onde destruir a máquina que causa tanta (im)perfeição ao homem, que ao fim não precisa necessariamente ser de ferro. A armadura mais importante que o mantém é seu coração, não seu elétron. Recomendo várias vezes enquanto estiver em cartaz e depois: Compre a coleção. Nossos monstros dependem somente de nossa imaginação, nossos heróis do coração.

Abaixo um comentário de Ana Carolina a respeito do filme:

Uma das minhas impressões (ou opiniões) foi que o filme saiu daquela coisa água com açúcar que a maioria dos filmes, especialmente os de super-heróis e heróis tem. Tiveram algumas surpresar, e também deram mais destaque ao cara por trás da máscara. Deram mais destaque para Peppet Pots também, quem provavelmente é o maior amor do Stark. As armaduras também deram um toque especial, nesse ponto seguiram bastante coisas da HQ. Isso porque teve gente reclamando que tinha saído muito das histórias, mas não achei. Acredito que juntaram um pouco de clichês, como o fator humano dos super-heróis (seus demônios, e suas lutas interiores), com a HQ e misturaram tudo de uma maneira que o filme ficou diferente“.

Anúncios

Eu nem sabia que índio pensava.

“Quando Pero Vaz Caminha descobriu que as terras brasileiras eram férteis e verdejantes, escreveu uma carta ao rei: Tudo que nela se planta, tudo cresce e floresce“. É, parece que já tínhamos perdido. Mas, quem mais perdeu? Nós ou eles? E hoje, qual o motivo dos indígenas reivindicarem tantos direitos? Povos extintos, expulsos de suas terras, a ganância do homem querendo se apossar daquilo que não é dele, mas fará com que muita coisa seja. Índios carbonizados e sendo ignorados em plena Capital onde brilha a bandeira ” Ordem e progresso “. Historicamente, foram abandonadas aqui as pessoas tidas como indesejáveis em Portugal e quem os acolheu, foram os povos indígenas, esses residentes no litoral. Recentemente, eles estão sendo abandonados e quem vai acolher? 
Lembrete: Andam circulando por redes sociais, a imagem com os dizeres: Feliz dia do índio, para você que fala pra mim fazer. Me sinto um pouco incomodada com esse tipo de… eu diria ataque, á um povo que já habitava nossas terras muito antes e, até hoje são pessoas extremamente sábias, infelizmente como disse, extintas pela ganância do homem. O preconceito linguístico está em toda parte, começando dessa forma até chegar ao étnico, onde enchemos a boca para dizer que índio é tudo vagabundo, sem escolaridade e capacidade para ter a própria terra. A partir desse pressuposto, queremos construir uma usina hidrelétrica para o bem da nação, esquecendo que: Famílias indígenas dependem daquele território, vivendo e sobre(vivendo) somente daquilo. 
Quando Pero Vaz Caminha escreveu a carta ao rei, declarava o quão ricas eram as nossas terras. Hoje, o homem escreve um documento contando a mesma coisa, mas somente á quem não tem relação com a terra propriamente dita. E o que vai acontecer com quem tem relação, mas não querem saber a opinião? É isso que eles e eu questiono. 
Precisaríamos voltar para entender que: Índio não anda só com algumas folhas no corpo e não faz uh uh uh uh ? Ou… Podemos simplesmente continuar a pensar que: Índio pensa, certo? 
Feliz dia do Índio somente 24h atrasada, quem dera não fossem séculos.

Love love and love

O mundo aponta uma arma o tempo todo na tua cara. Em todos os momentos estamos em guerra, e hoje discutimos por motivos banais, irrelevantes e de tanto gritar, nem percebemos o quanto nos tornamos ignorantes por isso, ao ponto de não lembrar qual era o ponto da discussão. Onde estão afinal os nossos direitos e até onde devemos lutar por eles? Até onde podemos brigar por algo ou alguém? Bom, de qualquer forma, o grito, levantar de voz não leva a nada, muito menos o levantar de mão e derrubar de braço. O mundo vive em constante mudança, é competitivo, acirrado e quer te engolir, só resta saber pular certas bocas e conseguir vencer, sempre com a cabeça em pé mas de forma humilde. 
A simplicidade é uma das coisas mais bonitas do mundo, clichê sim, porem sempre bom ouvir. Humildade é a maior arte que o ser humano pode fazer, pintar, bordar e refazer. Eu gosto do único,  simples e abstrato. Gosto e gosto mais quando estamos em paz, com a mente, com as pessoas a nossa volta e com aquelas que nem conhecemos. Sempre relevante o sorriso estonteante em plena Segunda manhosa, muitas vezes chuvosa. Não gosto de lembrar dos Domingos friorentos e sonolentos, aqueles que passo boa parte na varanda, tomando café ou chocolate observando todas as partes. 
O amor é algo complicado, mas não é um bicho de sete cabeças como muitas pessoas pensam. Se todos fossem menos rancorosos, as vezes, sentiriam um pouco mais com menos sofrimento no coração, muito pesar na emoção para ligar o coração. Quando digo menos rancorosos ainda não esqueço daqueles que gostam de te colocar para baixo e sentem inveja. Apesar disso, como dizem: Apesar dos apesares. Existe sim essa droga de amor, esse vício, e vou contar que é muito do bom.
Esteja sempre em paz com sua mente, espiritualidade com seu corpo e principalmente com você. Ódio e rancor não levam a nada, muito menos inveja. A gente sabe que a inveja e o olho gordo tá aí para querer destruir a felicidade de algumas pessoas, mas… Basta canalizar somente as coisas boas e seguir em frente. Acordar em paz todos os dias ou ter o simples prazer de respirar cinco minutos antes de levantar da cama, fechar o relógio no pulso com calma e cobrir com a manga da camisa, fazer o laço quase perfeito no tênis e massagear o shampoo no cabelo enquanto se pensa no resto do dia, são algumas das coisas positivas que conseguimos para que o resto do nosso dia, seja absorção de coisas negativas. Paz todo dia, a gente pode tentar aos poucos, até quem sabe um dia, alcançar a tão desejada mundial!

Domingo.

As folhas balançando rapidamente, anunciavam a chegada de uma tempestade naquele domingo que até então estava ensolarado. O dia tinha começado normalmente, com ele tomando seu café amargo e lendo o jornal amassado depois de tanto procurar a parte de esportes, ela estava preparando seu leite pois detestava café e ambos, esperavam o cachorro terminar de comer para passear com ele. As louças na pia, ainda eram da noite anterior, com os pratos sujos da borda de pizza queimada que ficou grudada e os copos, estavam ressecados com cheiros de guaraná e fanta laranja. 
Nenhum dos dois queria lavar a louça, então tiraram no par ou ímpar quem lavaria e secaria. Ela ganhou para secar e ele, odiou ter que lavar, mas como sempre, sorriram um para o outro. Depois da louça, decidiram não passear com o cachorro, pois a tempestade anunciada, havia chegado. Ele foi procurar no computador um bom filme para assistirem, escolheu o preferido dela e ela, fez a pipoca temperada especialmente com molho de miojo sabor bacon, o preferido dele. 
Anoitecia, quando a chuva começou a diminuir e só se escutavam gotículas alcançando o piso frio da área de serviço e o filme só estava pela metade, mas ele já havia adormecido no ombro dela e os óculos estavam tortos, devido a posição. Ela levantou vagarosamente para não acorda-lo e foi até o quarto buscar o cobertor, pois mesmo com a chuva parando, começava a fazer frio. Então, ela cobriu ele dos pés ao peito e foi levar as coisas para a cozinha, a tigela com os farelos de bacon e os copos com um pouco de suco no fundo. Ele acordou com o cachorro latindo e enquanto ela arrumava as coisas na pia, ele a abraçou por trás e sentiu seu perfume, esfregando lentamente a barba mal feita pelo pescoço dela. Ela virou e beijou ele, com um pouco de gosto de suco de laranja, com o batom ressecado e gosto de pipoca com bacon. O cachorro quis abraça-los e finalmente quando parou a chuva, foram passear com ele, terminando assim, um domingo nem tão friorento quanto no início. 

Chorões.

Embora eu não fosse sua fã, muito menos frequentei seus shows, certa admiração por você havia de minha parte. Ontem (06), completou um mês da sua inesperada, porém, previsível partida. Digo previsível, porque você sabe como é parceiro… Ela vem tão inocente, deixa a gente numa vibe boa, mas é perigosa e envolvente, até que um dia, de tão leve ela leva! Apesar de ter nascido no concreto, foi nessa calçada a beira mar, que depois de um tempo com sua paixão, construiu uma pista de Skate a qual leva seu nome. Sabe, eu tava pesquisando, parece que esse teu apelido surgiu porque um dia você tava olhando a galera andar de skate e um amigo passou e disse: Não chora. Dai, pegou: Chorão, Alexandre Magno Abrão. Pois é, foram tantas as vezes que você quis chorar, mas escondeu de nós e agora, todos choramos por não ouvir mais a tua voz.
Você era porra louca, brigava com o mundo, menos com Deus. Em uma entrevista você disse: Nunca fui de frequentar a igreja e pedir: Deus me dá isso, por favor, pelo amor. Só falo: Deus, me dá isso e eu te dou aquilo, demorô?! Tinha sim um gênio esquentado, mas sabia apreciar as coisas mais simples, como o pôr do sol, visto todas as Sextas da varanda do seu apartamento. É complicado ver as pessoas te julgando, e quem sou eu pra fazer isso? Mas, eu só quero dizer que realmente é assustador lidar com o fator  separação, fim de relacionamento, no seu caso um casamento. Muitas pessoas te olhavam da cabeça aos pés e afirmavam coisas que nem sabiam se era verdade ou não, mas você ensinou a gente nem ganhar, nem perder, mas procurar evoluir. 
Desde que eu tinha 14 anos, você já estava na minha vida, rotina, escola, academia, roda de amigos e principalmente: Rodas de violão. É, você realmente sabia apreciar as coisas boas da vida, dar carinho e ser parceiro. Nunca precisei ir muito longe pra saber onde era meu lugar, abaixar a cabeça quando necessário e ser humilde, principalmente. Não vim pra te julgar, eu só vim dizer que porra Chorão, você faz falta, cara! É sim quase uma carta, uma declaração de alguém que nem sua fã era, mas mais do que isso, um recado pra molecada: Drogas não é brincadeira, sinta a vibe com outras coisas, não com aquilo que destrói sua família e separa você dos seus pais.
Aconteceu sem que eu imaginasse. Intenso, muita pressa. Cuidado com o destino, ele brinca com as pessoas, tipo uma foto com sorriso inocente. Se quem eu amo tem amor por mim, eu sei que ainda estamos muito longe do fim.