Shub

Quando eu era criança e ia ao mercado com minha avó eu sempre levava um dálmata de pelúcia – que ela havia me presenteado – e arrastava ele por todos os corredores, sujando ele todinho e colocando no carrinho tudo que tinha na parte de cachorro. Não demorou muito, meu pai me fez uma surpresa. […]

Leia mais Shub

Quem de nós protege?

No dia primeiro de Janeiro de 2019, enquanto boa parte da população brasileira católica e evangélica, ironicamente, pulava sete ondas para Yemanjá e pedia uma coisa por onda (pensando como se fosse um gênio da lâmpada dos adultos), o então eleito presidente (o qual me recuso escrever o nome) resolveu declarar que sua primeira medida, […]

Leia mais Quem de nós protege?

Desembarque

Dizem que São Paulo é brutal, concordo em partes, pois toda brutalidade passa a transformar, isso certamente São Paulo fez comigo. Agora, em 2019, passo pela cidade, volto e continuo me sentindo em casa por conta de todas as transformações que ela já causou em mim. São Paulo não é para principiantes, e até os […]

Leia mais Desembarque

É preciso?

É preciso assumir. É preciso assumir que às vezes, muitas na verdade, queremos sumir. É preciso assumir que estamos crescendo, e querendo fugir, e não há como voltar (a não ser quando reencarnar). É preciso assumir que temos medo de ficarmos sozinhos. É preciso assumir que uma geração inteira veio doente e adoeceu outra, que […]

Leia mais É preciso?

365 m(ares) depois

A fatalidade de achar que temos de ser completados, e a necessidade da contemplação nos leva às maiores fatalidades, que inevitavelmente topam com nosso coração – coração aquele que muitas vezes nem achamos, mesmo procurando pela palpitação, talvez pela palpitação parar ali pela ação desacelerada da mão que não encontra o caminho certo. Nos últimos […]

Leia mais 365 m(ares) depois

As vidas na Avenida

Na avenida, não dessa vez a paulistana, literalmente a paulista pude escutar ecoar pelo viva som da caixa de música, em pleno século XXI as batidas que, pelo que os livros não só de história, mas agora os da poesia da vida tão tapeada e multifacetada, me contaram – fosse ecoando na cabeça ou pela […]

Leia mais As vidas na Avenida

Nem sempre depois.

Esses dias passeei pela cidade, enquanto o sol me acompanhava, nos passos e no ritmo acelerado da minha cabeça e do meu coração. Passei e parei em seu prédio, as cores atrás dele contrastavam com a altura do topo do telhado, onde tudo quase estava nublado, se não fosse o escurecer rosado do céu, que […]

Leia mais Nem sempre depois.